segunda-feira, 1 de junho de 2009

Sobre chorar...

Sobre chorar, enquanto viver em África, vou chorar... possivelmente todos os dias...
Mas um dia com certeza, Deus limpará de meus olhos, não apenas dos meus, mas de todos os africanos que o receberem como Salvador toda lágrima...
Enquanto isso...chora Dondo, chora Mocambique!

Segunda-feira
...Mariana morreu... malária, curandeiro uma mistura de tudo. E ela se foi...e Mafarinha chorou, a Escola El Shaddai perdia sua primeira aluna. Não por desistência, mas ela fora chamada ou enviada prematuramente para o Pai do Céu.
Chora Dondo, suas crianças estão morrendo.

Terça feira
A noticia chega... Sr. Xadreque, aquele que estava com a esposa no culto de domingo de manhã, ambos são cegos, aquele bebê que a mulher trazia nos braços, que ela não podia ver mas que amava tanto... morreu.
Malária.
Chora Macharote, chora mais uma das suas crianças, chora Dondo, mais uma perda. A miséria agora é maior, as cheias causadas pelas fortes chuvas, as casas mal construídas, a falta de higiene. Aumenta o foco da Malaria, chora Dondo, chora suas crianças, pois choramos com você.

Quarta feira
O netinho da irmã Julieta que vivia pendurado em suas costas, ela ia ao culto reclamando de dores nas pernas, mas não faltava, e ele na sua queca. Morreu. Malária? Ou falta de cuidado também?
Chora Bairro do Campo Estadio, chora Dondo, suas crianças estão morrendo. Na casa não havia comida para receber os familiares que vinham para o funeral e consolação.
O pai da criança há muito que não aparecia, mas neste dia veio, para enterrar seu filho.
Chora Dondo, e as lágrimas continuaram a cair...

Quinta feira
O enterramos.

Sexta feira
O choro continua... o netinho da irmã Ana Maria perdeu a vida.

Sábado
Mais uma vez estavamos lá, a cantar, a chorar a enterrar.
Chora Moçambique, chora suas perdas, chora sua dor.

Mas hoje, hoje no meio das perdas, quando saíamos de uma consolação para outra. Entramos no hospital, o filho de Samuel esta lá...irmã Elsinha está lá, Luiza mãe de Rosi esta lá...
E muitos outros que não temos afinidades, estão lá.
Chora Dondo, a malária, a cólera, o HIV, as doenças oportunistas e o pecado, estão matando seus habitantes, estão enlouquecendo outros que já não sabem suportar a dor.
Como o guarda do Cemitério Santa Ana, ele que faz descer tantas pessoas a cova, que guarda a enxada, que mostra o lugar. Ele que viu tantas pessoas chorarem, hoje ele chorou, e seu choro se tornou em loucura de tanta dor.
Sua esposa foi internada na enfermaria de cólera, ele veio trazer lhe a papa, pois o hospital não consegue alimentar a todos, o numero é maior, as camas já não suportam, estão deitados em esteiras, ali mesmo vomitam e defecam, os trabalhadores estão cansados, impacientes e amedrontados.
A Cólera mata rapidamente, é contagiosa, é destrutiva.
Pediu para chamar a esposa querida, queria vê-la, servi-la, mas ela não veio, veio alguém lhe avisar, ela morreu.
Ali mesmo, começou a diarréia o vomito, de dor, desespero, contaminação...ninguém tinha tempo para perguntar.
Foi internado no setor de cólera, passou o dia tentando fugir.
Mas naquele momento quando estavamos lá, o povo passivo, inclusive eu assistia pasma. Ele descia as escadas, fugindo e ninguém o detia, ele não queria ser detido, ele queria a esposa...
Parecia bêbado, dopado...quase caiu na escada, ainda outros doentes ajudaram-no, estavamos na ala do isolamento.E sua roupa, começou a cair, deixando o nu, ele tropeçava na calças que se enroscava em seus pés, e caminhava cambaleante...tonto, desesperado para casa mortuária, onde estava sua esposa., ele não poderia vê-la, seu corpo estava na gaveta guardado com o selo de contaminado.
Cólera.
Chora Dondo, chora Moçambique, chora eu, chora você...
Ninguém para detê-lo, minha ironia, como se a dor e a saudades de quem amamos pudesse ser detida.
Chora Moçambique.
Chora que alguém ouvira as tuas lágrimas, as marcas da guerra, do sofrimento, das cadeias do curanderismo, do encanto da feitiçaria. Chora a liberdade, chora a tua Paz, que essa só poderá ser dada por Jesus. Chora povo, chora diante do Pai, chora Igreja, chora povo que lê essa mensagem.
Chora, ora e estenda sua mão...
Chora e coloque sua vida a disposição de Deus,
Chora que tuas lágrimas farão a diferença, enxugarão nossas lágrimas, secarão outros olhos.
Chora povo, chora por Moçambique, por Dondo diante de Deus.
Para que o nosso povo consiga viver para ouvir a Palavra de Deus, que é a única que pode salva-lo.
Chore e faça alguma coisa.
Chore pois nosso povo esta morrendo, sem Deus e sem salvação.
Nossas crianças estão desaparecendo, e elas que seriam o futuro da nação.
Chora Moçambique, chora povo
Chore, ore e transforme o seu choro em ação.
Chore por Moçambique, por Dondo,

Chore por você, se for capaz de ficar indiferente a tanta dor.

Noemia Cessito,
Missionária em Dondo - Moçambique